sábado, 22 de junho de 2013

O Grande Truque - Christopher Nolan (The Prestige - 2006)


Irei ignorar que há quase seis meses levo cobranças sem cessar de Leonardo sobre minha falta de postagens nesse fórum agraciado, e irei fazer minha resenhinha como se nada houvesse acontecido.

O Grande Truque é um filme de 2006, baseado no livro de Christopher Priest, com direção de Christopher Nolan (o cara que faz todo HQ ficar galante) e com atores como Batman, Alfred, Viúva Negra e Wolverine.

A trama corre basicamente em uma Londres Steampunk e gira em volta de uma disputinha de egos entre Alfred Borden (Christian Bale) e Robert Angier (Hugh Jackman), dois ilusionistas que trabalhavam juntos, mas que tem rivalidade iniciada principalmente após um terrível 'acidente' com a esposa de Robert.

A busca por desvendar o verdadeiro truque utilizado pelo outro, a obsessão em ser superior ao outro, a vontade de se vingar do outro, tudo leva uma trama bem bacana e muito envolvente. As lições de morais, os personagens, e os limites de cada um deles é outro ponto muito interessante do filme.

Como as cenas representam a cada momento a visão de diferentes personagens sobre a história, inclusive dos outros além dos dois principais, a noção de quem é o vilão e quem é o mocinho também fica misturada, o que deixa o filme ainda mais cativante. Talvez seja essa troca constante de pontos de vista e falta de linearidade que exigem de quem está assistindo mais atenção, pois é possível se perder facilmente na história se não der atenção à um trecho importante (que podem ser rápidos).

Se você ainda não viu o filme, O Grande Truque está recomendado com vigor pela direção desse blog.


Maaaaaaaaaaaaas, eu queria falar minhas opiniões de verdade. E elas envolvem spoilers... Muitos spoilers.

Aconselho bravamente a só ler abaixo se já viu o filme.
Então você já viu o filme? Logo, vamos especificar uns pontos...

  • A mágica

Quando o engenheiro (Michael Caine) pede pros dois mágicos irem conhecer o 'senhor japonês' e tentar verificar como um verdadeiro ilusionista trabalha eu já curti. Leva a profissão à outro nível. Acho relativamente fácil você encontrar uma profissão porque os pais escolheram, por ter retorno financeiro, por comodidade, ou whatever; mas achar um trabalho que realmente seja sua paixão, a ponto de você se entregar por inteiro aquilo, é muito bonito. Chega a ser fantasioso, mas muito bonito.

Queria achar uma assim, pr'eu me sentir a gênio. Geralmente é dessa galera obcecada pelo que tá fazendo que sai os gênios daquilo. Mas e no caso deles? Foi amor a mágica mesmo? Ou foi só obsessão? Lembrando que chega um ponto que a vingança (o motivo real de tudo aquilo ocorrer) perde totalmente o foco na cabeça do Wolverine, o que vira uma obsessão muito maior um pelo outro (ui), e não pela vingança ou profissão.

  • O clone

Adorei no final do filme quando apareceu o nome do David Bowie. Pois vou confessar que não vi que o Tesla era ele em nenhum momento do filme (Mas reconheci seu assistente, o Smeagol).

Particularmente não gosto da ideia de clones. Tem um filme com o chuasnéguer (O Sexto Dia – 2000 – Schwarzenegger*) em que foi a primeira vez que vi que eu já tinha esse mesmo sentimento.

Pra mim clones são cópias (tanan!) e não substituem o original. Não desvalorizo eles nas ficções, nem nas ovelhas; na verdade na minha cabeça eles são outros seres, com seus direitos próprios, vidas próprias, e tudo o mais. Então quando o Wolverine matou seu primeiro original, pra mim, ele morreu. E tudo que os clones dele e de seus clones fizeram foi bobeira. Vingar a vingança do primeiro. Como clone eu ia sair do outro lado do palco, olhar pro cara se afogando abaixo do palco, limpar a bagunça, ir pra casa e tentar formar uma família... Acho que vocês entenderam.

De qualquer forma, ali no filme, pra continuar filosofando, vou julgar que ele continue o mesmo cara, vai...

E vem aquele momento triste de conflito psicológico do cara sobre quem ele é, e o que quer ser. A cena dele agradecendo o público debaixo do palco, enquanto o sósia recebia a glória lá em cima me deu até um apertinho no peito. O personagem era um cara egocêntrico, mas era genuinamente egocêntrico. Não bastava que as pessoas acreditassem que ele era o autor do truque, ele tinha que sentir os aplausos direcionados pra ele. Um sentimento muito da alma artista. Talvez por isso a sensação de que ele tem que se sacrificar por inteiro e deixar os aplausos pro clone (que como disse, pra mim é outro ser) tenha me deixado bastante triste.

  • A vida dupla
No fim, os dois truques me deixaram deprimida. Quando o japonezinho ensinou que deve-se viver para aquilo que faz, acho que os irmãos Bruce Wayne levaram bem a sério.

Do mesmo modo que pro Wolverine o sacrifício foi pesado, de entregar a sua vida por aquilo, viver uma meia vida também me pareceu muito triste. Não só pra eles, mas pra todos os envolvidos. Acho a Scarlett Johansson uma linda, mas a personagem da Rebecca Hall, Sarah, me fez pensar muito mais. O jeito como ela sempre desconfiava do 'marido', de sofrer como sofreu sabendo que algo estava errado e sem ter prova alguma de que estava certa, o jeito como acabou ficando louca por, no fim, estar com a razão... Tudo nela foi bastante triste.

Ela e todos os personagens que rodeiam os ilusionistas fazem a gente pensar se quando uma pessoa resolve sacrificar sua vida por algo, está também atingindo muitos ao redor. Pessoas que podem estar ali tanto por vontade própria, como pessoas sem opção, como a filha do Batman, que não tem nada a ver com as escolhas que o pai faz.

Seria um egoismo das pessoas não se importarem com esses atingidos externos, como eles não se importavam com a Sarah cada vez mais doente?

Sem contar em como os dois entraram nessa conversa de um fingir que era o outro? "Ow, cara... Que que ce acha de fingir que é eu? Eu topo." Que papo esquisito. XD

  • Alfred, o mordomo engenheiro
Acho que o mais legal dele é o modo como ele se dedica aos dois, mesmo em situações de rivalidade, ele se mantem ali, presente. Ele sempre se apresenta de forma sutil, uma dica, uma sugestão, uma frase bem colocada. Acho isso uma forma muito inteligente de lidar com pessoas tão expansivas.

Mas a frase que mais me prendeu dele foi a final, o comentário sobre a real dor de quando se morre afogado. Aquilo foi pra destruir o Wolverine. Se eu fosse o cara nunca mais entrava numa banheira.


De qualquer forma é um filme excelente, cheio de nuances pra se pensar e tentar usar na vida (ó que lindo! Hueahuieahui). Enfim, acho que todos os comentários que eu tinha foram feitos (ou não, esse trem tava grande bagarai...) Então fico por aqui, espero que não se assustem com o tamanho do post. Beijinhus... :O

37 comentários:

  1. Oi, tudo bem ? Bem, acabei de assistir a esse filme e achei realmente fantástico. O filme divide opiniões e faz a gente pensar e repensar o que realmente aconteceu e eu estou com uma baita dúvida. Sério. Os filmes de Nolan costumam fazer isso comigo (Estou falando de a Origem). Vei, o Wolverine morreu ou não no final ? Acho que não porque ele aparece no final... Bem, minhas dúvidas devem ser geradas por minha burrice já que os filmes do Nolan não costumam mastigar a história para quem assiste seus filmes. PRECISO ADQUIRIR CULTURA! Cheguei a essa conclusão meio tarde já que tenho 16 anos e li pouquíssimos, costumava assistir besteirol e ouvir merdas também. Acontece que eu fui criado em um lugar onde isso é o certo a se fazer e hoje que eu tô querendo mudar sou considerado um "estranho".

    ResponderExcluir
  2. O meu problema com a morte do Wolverine foi que pra mim aquele não era mais o Wolverine... Era um clone. Era como se fosse um suicídio a cada apresentação. Estranho, né? Mas o cara levou um tiro, nem que fosse o ultimo clone, acho que ele se foi mesmo. =/

    No fundo aos 16 anos todo mundo é estranho.

    [Momento biografia] Até meus 15 anos eu morava numa cidade bem pequena e acho que foi uma das melhores fases... Eu dei muita sorte de conhecer pessoas que liam mais que eu, buscavam coisas diferentes, e curtiam de tudo. Tenho amigos assim, mas também via pessoas ao longe que eu sabia que eram assim e serviam para me inspirar (algumas dessas viraram amigas anos depois). Também conheci pessoas que não faziam nada disso, mas que sorriam quando eu falava feito uma matraca de coisas como desenhinho japonês.

    Isso me deu base para que aos 16, quando me mudei pra uma cidade maiorzinha, conseguisse me enquadrar em qualquer grupo, e ser agora não só quem absorve, mas quem incentiva o coleguinha. E pra ser isso, você tem que ser estranho. [/Momento biografia]

    O importante é você saber que tipo de pessoa você se sente mais confortável sendo, o que no fim atrairá pessoas iguais, mas também ser capaz de aceitar os que não pensam como você, mas que nas diferenças o completa. =)

    ResponderExcluir
  3. O grande truque esta escondido nos pequenos detalhes que vão sendo revelado no decorrer do filmes e depois tem juntar-los, um Grande Mosaico começa com monte copiar de cartolas e termina com monte de corpos do wolver. Não houve vida dupla e sim vida-divida, não havia irmãos gêmeos,essa foi a perguntar ou afirmação do wolve mas que nao foi respondida pelo Batman este que realmente foi o primeiro a fazer o Clone de se mesmo ele conheceu Tesla antes. Depois de muita insistência do wolve ele conta seu segredo o nome do cientista louco "tesla" , o wolver fez o contrario do batman que dividi-a sua vida e amores com o clone, o wolve preferiu morrer e matar a se mesmo pela vingança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando o Borden vê pela primeira vez o truque na volta do Angier, ele fica surpreso. Na cena em que mostra ele e o Fallon discutindo como o Angier fez aquilo, denuncia que ele realmente não sabia que era possível fazer clones! Ele não imaginava que aquilo era um clone! Palavras do Borden: Quarenta e cinco metros em um segundo! Um segundo! E tudo que sabemos é que ele usa um alçapão!
      Isso mostra claramente que ele não sabia da existência de uma máquina de clonar. Mas o mais curioso do filme é que ele manda o Angier ir atrás do Tesla com a "palavra-chave", e na parte em que o Angier está conversando com o Alley no restaurante (42 min) ele diz: "Tesla construiu um para outro mágico". Ou seja, isso diz que o Borden se clonou. Então por que ele ficou surpreso na hora do truque da volta do Angier dos EUA? E se a máquina ainda não tinha sido feita e que o Borden realmente tinha um irmão gêmeo, como que o Tesla pode construir uma máquina de clonar em apenas 2 anos??? E ainda, o Angier teria que ter uma sorte gigantesca visto que a palavra-chave era "Tesla" e que com isso o Borden quis claramente mandar o Angier para longe, entretanto, este vai falar com o Tesla e o cientista consegue construir uma máquina de clonar! Como assim?! O difícil de crer é que o Borden quis mandar o Angier para longe, mas ele o mandou para a resposta do seu truque! O filme se desconstruiu nessa mancada gigantesca que só percebemos assistindo pela segunda vez. Ou eu posso estar errado.

      Excluir
    2. Cara, minhas duúvidas são exatamente essas.
      A chave do diaário de borden era tesla. Será que era realmente gêmeo? Mas a duvida tambem aparece quando borden discute com fellon que ele questiona do tempo do aparecimento. Se alguem souber qual é a verdade, conta ai.

      Excluir
    3. Entendi o filme todo, mas essa ponta ficou solta mesmo. o questionamento de The Professor (42 min) consta que eles não sabia do clone então eles eram irmão gêmeos. E a chaver ser Tesla e ele 'coincidentemente' sabe fazer uma máquina de clones? Essa parte é meio esquisita e primordial para o entendimento do filme. Como The Professor usa a palavra-chave Tesla, em que sentido buscando do princípio que The Professor entregou o diário coincidentemente a mando de Olivia que se apaixonou por ele. Mas quando o diário 'some' só Borden sabe de seu desaparecimento e Fallow não (ele pergunta depois do arrombamento: o diário sumiu: e o engenheiro acena com a cabeça positivamente). Acho que um sabia sobre a máquina, mas tinha medo de se 'sujar' e o outro não sabia.

      Excluir
  4. acho que tu nao entendeu o filme. quando mostra o primeiro clone do hugh jackman, quem morre é o clone e não o original. o original permanece dentro da maquina, e é quem mata. e depois quando volta para londres com o "verdadeiro homem transportado" ele usa seus clones para fazer o segundo ato do número, o de entrar na maquina, para depois cairem e morrerem afogados na caixa de vidro, para finalmente participar do "the prestige" e receber os aplausos lá de cima. e não existem irmãos Bale, como nosso amigo RIba disse bem, Christian encontrou primeiro o Bowie, e fez seu clone muito tempo antes, mas ao contrario do sr Jackman, que preferia matar a si mesmo varias vezes, preferiu dividir a vida com seu clone.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo com quase tudo menos a parte do cara ser um clone, ele podia ser só um sósia, e outra a maquina não estaa completa quando o hugh chegou lá ou seja quase certeza que existiam sim irmão Bale(Ao que aparenta um morre no final inclusive, só não sei qual)

      Excluir
    2. discordo, como os irmãos discutem então sobre a velocidade do truque do Angier que ele gasta 1 segundo para subir no palco? e tudo que eles sabem é que ele usa o alçapão. o ponto chave do filme é o por que o diário tinha como código Tesla já que eles aparentemente não sabiam como Angier fazia seu truque.

      Excluir
    3. são irmãos sim.no início do filme com o truque do passarinho o menino fala cadê o irmão do passarinho e ele responde menino esperto...São pessoas diferentes por isso um ama uma mulher e o outro a outra.

      Excluir
  5. Segundo o Wikipédia, http://pt.m.wikipedia.org/wiki/The_Prestige quando borden envia angier a tesla, era pra ser uma busca inútil então borden realmente tinha um gemeo. E Angier acaba conseguindo uma maquina que é sua desgraça.
    Só não entendi quando o Wikipédia diz que aparece um Angier escondido nas chamas. Só consigo ver dentro do tanque e o que está morto pelo tiro que levou do borden

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro ponto foi quando Angier lê o diário de borden e lá está escrito que tesla era a chave do diário e não do truque.
      No desespero Angier sai atrás de tesla e questiona sobre a construção da maquina e diz a alley: tesla nunca fez a máquina como eu havia pedido e alley responde: nunca dizemos que havia feito e em seguida Angier diz: vocês me levaram a crer nisso!
      Então, na minha visão, Borden realmente tinha um gêmeo.
      Em seguida tesla aparece e troca algumas palavras: não roubamos seu dinheiro. Quando disse que poderia criar a sua máquina eu não menti. E Angier questiona: porque ela não funciona? E tesla diz: porque cieências exatas não são ciências exatas. A maáquina simplesmente não opera como imainavamos que na minha opinião era o teletransporte. tanto que alley comenta: testamos a maáquina inúmeras vezes e a cartola nem saiu do lugar (ou seja, teletransporte) E tesla segue dizendo que precisam fazer mais testes...

      Excluir
    2. eu vi o filme já umas 3 vezes, eu acredito que talvez ele tenha o irmã gemeo msm, e no final o wolverine fala que todas as noites ele ficava pensando e tendo coragem pra entrar naquela maquina querendo saber se ele que ia parar dentro da agua ou no pauco, então nao era por ex um clone dele que entrava na maquina e sim ele msm, a pergunta é como ele parava lá em cima, ja que no começo do filme quando faz com o gatinho, ele fica no msm lugar, só que aparece outro lá fora longe pra carai junto com varios chapeus, então quando ele pegou aquela maquina teve as intruções e sei ele poderia programar pra aparecer em outro lugar, ou era um cone msm que entrava na maquina e o diretor errou nessa parte, e no final fez o wolverine falar que era ele msm que entrava!

      Excluir
    3. Tesla pediu o prazo de duas semanas exatamente pra isso, para que 'teletransportasse' e não somente copiasse. então ele conseguiu arrumar a máquina mas ela continuava copiando, mas agora também teletransportava, que explica como Angier aparecia em cima do palco segundos depois.

      Excluir
  6. Procurem essas respostas no livro, de 1995

    ResponderExcluir
  7. Tu já leu? Se sim, porque não disse as respostas? Rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. Tu já leu? Se sim, porque não disse as respostas? Rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conseguiu a resposta? Hahaha se sim compartilhe!

      Excluir
  9. O Grande Truque, é um filme que o enredo me lembra a nova serie HBO, O Hipnotizador, uma produção em que a hipnose tem um fundamental para descobrir os segredos de seu paciente papel. Ambos os títulos são muito interessantes.

    ResponderExcluir
  10. Ele colocava o vidro em baixo sempre em todas apresentações p não ficar com dois Wolverine até q o Batman foi la se me ter e pagou com morte do seu número também era meio q um teste se vc estragar esse vc sai perdendo tambem

    ResponderExcluir
  11. O fato que tira de questão a probabilidade do clone é o amor por Sarah, pois se ele se clonou e amava Sarah seu clone tambem a amaria e não Olivia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima reflexão matheus mas teve um camarada acima que levantou a bola de que mesmo um clone existindo, a chance de não ter os mesmos gostos, sentimentos e etc pode existir por ser uma outra pessoa mas não deixa de ser um clone. Ser clonado não significa ter os mesmos pensamentos. Tanto que quando Angier faz o primeiro clone, no momento em que pega a arma pra matar, o outro retruca pra não ser morto.

      Excluir
  12. Boa noite. O filme é excelente, tem um ótimo enredo. De fato, é necessário assistir mais de uma vez para entender algumas questões. Agora minha pergunta talvez nem caiba aqui, mas ainda assim a farei. Alguém sabe o nome da música que toca no final do filme e o grupo? Desde já agradeço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A música chama-se Analyse do Thom Yorke, vocalista também dos Radiohead.

      Excluir
  13. Poxa! O filme é excelente, prende a atenção da gente mesmo. Mas ficou uma dúvida: Se o Batman tinha conhecido Tesla antes e tinha se clonado, qual o motivo do espanto dele ao ver o Wolverine entrando na makina e reaparecendo em 2 segundos em outro lugar? Ou será que só quem sabia a resposta era o "duplo" dele? (Será que esse gêmeo que sempre andava disfarçado era o Batman "matriz" e o outro não tinha noção de que era um clone???)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tenho a mesma indagação. achava que era Fallow mas este ficou surpreso quando descobriu que Lord Caldlow era Angier. Fallow deu o diário propositalmente a Angier para que ele fosse a uma viagem sem objetivo. essa troca de Borden / Fallow é que confunde as coisas.
      mas pra mim o sentido seria que um sabia do clone e o outro não. a parte do diário diz muita coisa.

      Excluir
  14. tentarei responder as pontas soltas do filme.
    vamos lá: TESLA ser a palavra chave do diário não significa que Borden é o outro 'mágico' para que Tesla fez a máquina como disse Angier. Borden pode ter usado esse nome por ser um grande admirador de Tesla que era um grande nome da época.
    Borden / Fallon são IRMÃOS GÊMEOS SIM e não clones como muitos estão dizendo e isso é evidenciado no 1° diálogo entre o subordinado de Lord Caldlow e Fallon na prisão e também no último diálogo entre Angier e Borden.
    Também tem o diálogo entre Borden e Fallow (01:53:00) onde eles questionam como The Grande Danton atravessa 45 metros em um segundo. Eles não tinham nenhuma ideia que era um clone.
    ou seja: Borden / Fallow eram irmãos e Tesla era apenas a chave do diário, não do truque (01:22:00). #paz

    Filme bom é assim: lança em 2006 e em 2016 estamos aqui discutindo rsrs Abraços!

    ResponderExcluir
  15. Ele não entendeu o filme...Quem morre com tiro é o clone. a maquina lança as copias pra fora,quem fica nela é sempre o original.a cartola permanecia no lugar ,o gato permaneceu no lugar e quanto suas cópias iam pra fora.logo quando ele entrou na maquina a primeira vez ele matou o seu clone. com os ajustes a maquina não só copiava mas transportava.ele era quem recebia os aplausos o que tanto buscou. e outra não há dúvida que borden e fallow eram irmãos.no início do filme ele fala quando um menino pergunta pelo irmão do passarinho ele diz "menino esperto" e também ele machuca a mão do irmão pra ele ficar decepado igual ele se fossem clones não precisaria.

    ResponderExcluir
  16. Para mim nunca houve clones, e sim sósias. É explicado no filme que é possível fazer um sósia quase perfeito e, para mim, os que morriam eram sempre sósias.

    ResponderExcluir
  17. apesar de toda as duvidas e indagacoes aqui quando o segredo poderia ser revelado por 2 vezes " no papel na prisao , antes do tiro no final "
    o filme nao deixa, apesar q na minha opiniao sao clones, pois no final vemos varias caixas de vidro, inclusive uma com o um clone dentro, e com uma frase do velinho q nos deixa com mais duvida ainda. hahahahuahuahuah filme topissimo!!!!

    ResponderExcluir
  18. Meu entendimento eh. Bale procurou Tesla anos antes para TRANSPORTAR a si mesmo. Como nao tiveram sucesso ele passou a fazer o truque com seu irmão gêmeo mas isso era um sacrifício para ambos dividirem a mesma vida. Era cruel com as mulheres que amavam e a filinha. Quando Angier chega ao Tesla ele está com a máquina funcionando sim mas ela não faz o esperado. Em vez se transportar ela CLONA. Para Angier isso já serve e passa a usar os Clones

    ResponderExcluir
  19. Acho que a maquina transporta o original para longe e clona um que fica na máquina, então o chão se abre e o clone cai no tanque, ou seja , se o original ficasse na máquina ele que morreria.
    Só que na cena que mostra a clonagem não consigo perceber quem atira em quem, o que está longe ou o que ficou na máquina.

    ResponderExcluir